8 de março de 2021: o luto e a luta das mulheres

Por Leticia Dias Ferreira *

 

Chegamos a este 8 de março de 2021, somando mais de 260 mil mortos pela COVID-19. Para nós, o 8 de março nunca foi uma data de flores e homenagens. É um dia de luta, dia que ocupamos as ruas clamando por nossas vidas, por dignidade, justiça e direitos.

Em 2021, o sentimento inafastável é de luto,  consternação e igualmente de revolta, pois as mulheres estão sofrendo de forma atroz as consequências de um governo que dissemina a doença e a miséria.   A pandemia tem nos levado a uma desumana sobrecarga, pois estamos majoritariamente em atividades profissionais de cuidado e no trabalho doméstico e de reprodução da vida, no qual continuamos invisibilizadas.  A violência dentro de nossos lares se impôs ainda mais cruelmente com o isolamento social, escancarando que a casa continua sendo o local mais perigoso para as mulheres. A miséria, o desemprego, a retirada dos direitos sociais recai sobre nós, mulheres, de forma mais gravosa. A violência do Estado, o desmonte de políticas públicas e o retrocesso democrático tem colocado em risco nossas existências de forma brutal.

É importante lembrar que a luta das mulheres atravessa os séculos por melhores condições de vida, pelo fim da exploração e discriminação prospectando um horizonte ético-político de liberdade, justiça e equidade. Estamos percorrendo um trajeto alicerçado pelas que vieram antes de nós na luta pela autonomia e contra a sujeição de nossos corpos e mentes ao cis-heteropatriarcado racista. Nossa prática política é construir cotidianamente esse devir onde a exploração e a submissão não sejam mais naturalizadas, mas combatidas.  Para nós, o empoderamento é um processo coletivo de tomada de poder. Não nos interessa que algumas mulheres tenham poder em detrimento da exploração de outras. Não nos interessa um poder que não está comprometido com as mulheres em suas singularidades nem com a superação das desigualdades. A luta feminista está comprometida radicalmente com a luta antirracista, anti-capitalista e com a democracia.

Assim, neste 8 de março reafirmamos nosso compromisso com a luta política das mulheres; denunciando as atrocidades deste governo  e enfrentando os nossos algozes com  voz altiva e punhos em riste. Às nossas companheiras mortas nem um minuto de silêncio, mas toda uma vida de luta!

Fora Bolsonaro e Mourão!
Pelo IMPEACHMENT do governo inimigo das mulheres!
Por verdade e justiça para Marielle e Anderson!
Pela vida das mulheres!

Tamo juntas até que todas sejamos livres!

 

*Co-presidenta da TamoJuntas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *