violencia-contra-mulher

‘Me arrependo da denúncia. Não fez nenhuma diferença’, diz jovem agredida em Salvador

Posted on Posted in Notícias

O namoro de três meses acabou com a agressão súbita em novembro de 2015. Com ciúmes de um comentário, o então namorado xingava a comerciária Sofia*, 24 anos. Começou a bater nela. “Quando ele parou, me fez levá-lo em casa com ele dirigindo meu carro”.

Bahia registra 37 casos de agressão por dia

Na rua onde ele morava, continuou a agredi-la. “Quando a mãe dele viu, levou para casa”. Mas o suplício não terminou. Quando foi à Deam de Brotas, no dia seguinte, ouviu de um policial: “Ciúme é assim mesmo”. “Ouvi aquilo machucada, sem conseguir falar”, lembra. 

 

Não teve notícias da Deam por dois meses, mas teve do agressor, que ligou para ela. No retorno à delegacia, um policial lhe disse que “o que os olhos não veem, o coração não sente”.  Em maio, descobriu que o processo estava com o Ministério Público, mas o telefone repassado pela delegacia estava errado.

Doméstica teve parte das pernas decepadas pelo ex: ‘Ele rumou a foice’

Descobriu que a medida protetiva foi concedida pela Justiça desde janeiro – mas o agressor nunca a recebeu, de modo que ela não tem validade. “Estou de mãos atadas e ele pode fazer o que quiser. Me arrependo da denúncia, porque não fez nenhuma diferença”, conclui. 

Grupo faz campanha de apoio online
Para ajudar mulheres vítimas de violência, desde abril, o Coletivo TamoJuntas, formado por quatro advogadas, oferece acompanhamento – principalmente jurídico, mas também social e psicológico – gratuito. No próximo sábado, a partir das 9h, o grupo realiza o 2º Mutirão Lei Maria da Penha, na Igreja Batista Nazareth, em Nazaré. 

Do encontro, cujo tema será os Desafios no Enfrentamento à Violência contra Mulheres, vão participar representantes de órgãos públicos, como a promotora Livia Sant’Anna, coordenadora do Grupo de Atuação Especial em Defesa da Mulher, e a ouvidora-geral da Defensoria Pública do Estado, Vilma Reis.

“A ideia do mutirão é ter contato com a comunidade, para as mulheres saberem do nosso projeto. Havendo demanda (de atendimento), vamos encaminhá-las, tirar as dúvidas, marcar o atendimento individual, que deve ser de pelo menos uma hora”, explica a advogada Carolina Rola, uma das fundadoras. A ideia surgiu durante uma campanha no Facebook, chamada #MaisAmorEntreNós, em que mulheres se disponibilizavam para fazer um serviço gratuito por outra mulher. 

Só em Salvador, cerca de 50 mulheres foram atendidas e mais de 500 de outros estados receberam orientação. Para entrar em contato com o coletivo, basta acessar a página facebook.com/tamojuntas ou através do 71 99185-4691 (WhatsApp). 

Fonte: Correio24horas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *